VIVER EM UM PAÍS DE FORMA ILEGAL, OU SEJA, SEM VISTO, PODE DAR CADEIA, MULTA ALTÍSSIMA E MUITA DOR DE CABEÇA.


Veja por exemplo, o que acontece com imigrantes ilegais nos Estados Unidos, Reino Unido, Itália e Irlanda

ESTADOS UNIDOS

Nos Estados Unidos o imigrante sem permissão para residir ou trabalhar não pode abrir uma conta bancária, nem tirar carteira de motorista em alguns dos estados além de encontrar dificuldades para alugar um apartamento e usar outros serviços. O pior de tudo é que se consegue emprego, pode ficar à mercê de receber ou não do empregador, que muitas vezes atrasa ou nem paga. E algo novo está ocorrendo: o departamento de imigração se chama ICE – Immigrant Customs Enforcement, portanto, a polícia não tem a função de atuar como agente ICE. Entretanto, devido ao crescente número de pessoas atravessando as fronteiras do Arizona e Texas, a polícia começou a se mobilizar. No Texas há muitos casos de imigrantes sem autorização para residir ou trabalhar que têm sido presos por policiais civis e, posteriormente, entregues à imigração. 

REINO UNIDO

Morar indocumentado em Londres ou qualquer outro lugar no Reino Unido está se tornando mais complicado e inviável. Por quê? O governo aplica multas cada vez mais altas para quem tiver algum empregado sem visto para morar no país legalmente. Denúncias anônimas, infelizmente, são muito comuns; muita gente acaba sendo descoberta dessa maneira e, consequentemente, deportada. Landlords, os famosos proprietários de casas para alugar, também estão na mira do Home Office, órgão do governo que lida com a imigração. Portanto, na hora de alugar um apartamento/casa, a primeira pergunta é: tem passaporte europeu? Se a resposta for não, você terá que mostrar o seu visto carimbado no passaporte brasileiro. Se não puder provar, nada feito. GPs, ou médicos de família não podem mais aceitar nenhuma pessoa sem comprovação de visto no passaporte, quando esse não for europeu/parte da EU para se registrar na clínica. Crianças não podem ser matriculadas nas escolas sem os devidos documentos na hora da inscrição e isso conta, claro, com o passaporte e certidão de nascimento. Nos últimos anos a Casa do Brasil em Londres, em parceria com o Home Office, tem oferecido o serviço de retorno voluntário para que aqueles que tenham tentado, sem sucesso, morar no país sem documentos e desejam voltar para casa com dignidade. É muito arriscado largar tudo que se tem, vendendo imóvel e carro, como muitos fazem, para apostar numa vida no exterior sem ter no mínimo um visto para morar legalmente. A decepção de ver o sonho se transformar em triste realidade por falta de oportunidades devido a não ter permissão de residência é um drama que muitos enfrentam. Pense e se programe: tenho como tirar um passaporte europeu através de família? Se sim, vale o investimento. Tenho como pagar um curso de inglês e me manter enquanto estiver estudando? Se sim, outra oportunidade. Mas se não, planeje até o dia em que tiver condições de entrar pela porta da frente e ficar despreocupado com documentação.

ITÁLIA

De acordo com o Consulado Geral da Itália no Brasil “os cidadãos brasileiros são isentos de visto de ingresso na Itália para viagens a turismo, negócios, competição esportiva, convite, missão e estudo, desde que a estadia não supere os 90 dias.” Contudo, é muito importante entender que passados 90 dias, é obrigatório ter um visto. Ultrapassando esse período, sem a sua devida regularização, a pessoa passa à condição de clandestinidade, o que desde 2009 é considerado crime pela lei italiana. Isso significa que, além de ser denunciada às autoridades de repatriamento para que seja deportada ao seu país de origem, a pessoa responderá a um processo em que seu crime será julgado perante a lei, como também estará passível a uma multa que varia entre cinco e dez mil euros. O indocumentado poderá ainda ser enviado para uma prisão até a sua efetiva expulsão. E após receber a carta de expulsão o clandestino não só fica impedido de retornar a Itália, como também fica proibido de entrar em qualquer outro país membro do espaço Schengen por um período de 10 anos! Aos que ainda ousarem permanecer no país, depois de terem recebido a notificação de expulsão, serão contempladas outras medidas como uma pena que vai de seis meses e um ano de cadeia. Por fim, mais duas observações importantes: 1) a obrigatoriedade de denunciar o imigrante indocumentado que se encontra em território italiano é estabelecido por norma, só os médicos e os diretores de centros educativos que atendam estes imigrantes são isentos de tal obrigação. Ou seja: achar uma moradia e um emprego é ainda mais difícil quando se está irregular – visto que os próprios cidadãos italianos podem sofrer multas e sanções penais ao acobertar um indocumentado; 2) o Consulado Geral do Brasil na Itália só pode proteger os interesses de cidadãos brasileirosdesde que estejam de acordo com a legislação brasileira e com as leis locais. 

Irlanda

Foi brasileira a nacionalidade que teve o maior número de pessoas deportadas ou com entrada recusada na Irlanda em 2015. De um modo geral, o índice de deportações forçadas também voltou a crescer no país, sendo que no primeiro semestre de 2016 já foram enviadas de volta para os seus países mais pessoas do que durante todo o ano de 2015. Mais de 2 mil pessoas tiveram sua entrada na Irlanda recusada ainda no aeroporto e foram embarcadas de volta para casa, de lá mesmo, por não conseguirem provar que contavam com os recursos e documentação necessária para entrar no país de acordo com o visto requerido: turista, estudante, trabalho, etc. O maior problema dos indocumentados no país é conseguir trabalho e moradia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *